Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Controle de Pragas
FOTO: Proibido Pragas
   
FOTO: BARATA

 


Justiça seja feita. Não são todas as cidades do país que já tiveram suas praças invadidas pelos pombos. Mas, na maioria dos principais centros urbanos, eles se confundem com a população que passa de um lado para o outro.

E essa relação tem pelo menos 10 mil anos. Essas aves tornaram-se um grande tormento, pois costumam se alojar nas sacadas dos apartamentos e nos telhados das casas, depositando nesses locais seus excrementos e espalhando doenças.

A espécie urbana mais comum, chamada Columba Lívia, vive cerca de quatro anos. Sua alimentação é à base de sementes e grãos, mas, com o passar dos anos e a necessidade de sobrevivência no "mundo civilizado", elas tiveram que se adaptar e hoje aproveitam tudo o que encontram nas ruas, inclusive lixo.

CURIOSIDADE:
elas são originárias do leste europeu e vieram, para o Brasil, de carona nos navios portugueses, dentro de gaiolas, para servir de alimento durante a viagem.

RISCO À SAÚDE:
sua presença está relacionada a várias doenças. Entre elas a histoplasmose, um mal que provoca desde uma infl amação nos brônquios até uma pneumonia. Se não for tratada, pode levar à morte. Os pombos também transmitem a bactéria salmonela, que causa problemas no sistema digestivo, e o fungo criptococose, que atinge o sistema nervoso, podendo desencadear até a meningite.

A bióloga Mônica Ribeiro, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), descobriu, depois de analisar as fezes dessas aves, que elas também têm transmitido parasitas como o bicho geográfico, a lombriga e a giárdia. Entretanto, dá para se conviver com os pombos de maneira saudável, desde que sejam adotados cuidados básicos de higiene e manutenção das residências. Um alerta: "os alimentos oferecidos aos pombos provocam uma superpopulação e eles começam a disputar espaço, brigando uns com os outros, além de aumentar a disseminação de doenças", explica a bióloga.

CHEGA PARA LÁ, POMBAL!
- Nunca alimente os pombos.
- Mantenha sua casa limpa e, quando for remover as fezes dessas aves, use equipamento de proteção individual, como máscara, luvas de borracha e óculos de proteção.
- Fixe fios de nylon no parapeito das janelas e/ou varandas, para que os pombos não consigam pousar.
- Ao colocar as telas de proteção, por causa das crianças, o ideal é não deixar espaço suficiente para que as aves possam se instalar.
- Outra opção é usar espículas, agulhas de aço ou espirais do lado de fora da janela, que acabam machucando as garras dos pombos e impedindo que fiquem por ali.